Entrevistamos: Rüfüs Du Sol no Lollapalooza Brasil

Conhecidos por shows conceituais e bem construídos, o Rüfüs Du Sol esteve no Brasil para o Lollapalooza e conversou com nossa redação nos camarins do evento. Confira:

Rufus du Sol

Estamos cansados de dizer que a música eletrônica é um gênero misto, plural, que agrega tudo e todas das mais diversas formas. DJs, duos, trios, bandas… todos têm seu espaço dentro do cenário eletrônico mundial e banda entrevistada de hoje é um belo exemplo disso. A banda australiana Rüfüs Du Sol, formada por Tyrone Lindqvist, Jon George e James Hunt, é dona de uma sonoridade única, bem energética, alegre. Com um formato live, a banda viaja o mundo com seu show conceitual e recentemente, esteve no Lollapalooza Brasil, onde tivemos a oportunidade de conversar com James, baterista da banda, na entrevista que você curte abaixo:

Beat for Beat – O Rüfüs iniciou sua carreira em 2010, em Sidney. Como vocês 3 se conheceram e decidiram montar uma banda de música eletrônica?

Rüfüs Du Sol – Eu acho que tudo começou na escola. Eu estudava com Tyrone, nós tínhamos melhores amigos em comum e nessa conexão de amigos, o Jon apareceu. Nós acabamos nos conectando através da música que ouvíamos. Tínhamos os mesmos gostos, como The Chemical Brothers, Booka Shade, todas essas bandas que tocam num formato live, não apenas pre-sets e isso nos chamava muito atenção e era isso que nós queríamos, algo com guitarras, baterias, tudo ao vivo e foi assim que decidimos começar!

B4B – Recentemente vocês decidiram mudar o nome da banda para Rüfüs Du Sol, qual foi o significado da ampliação do nome da banda?

Rüfüs Du Sol – De fato, no começo era só Rüfüs, o que era bem simples, familiar, mas um tanto confuso. A gente percebia que as pessoas, ao falarem o nome da banda, achavam que era algo russo, escandinavo, mas nós somos Australianos! (risos) A adição “Du Sol” é porque nós realmente amamos tocar durante o dia, com a luz do sol sobre nós, sentindo toda a energia dele, que inclusive, é traduzida de certa forma em nossas músicas.

Rufus Du Sol

B4B – O trio se mudou para os Estados Unidos para criar o seu mais novo trabalho, Solace. Como essa mudança ajudou no processo produtivo, de criação do novo álbum?

Rüfüs Du Sol – Nós acreditamos que mudar o ambiente, “trocar a chavinha” na hora de criar um novo álbum é muito importante. Sair da nossa zona de conforto. No primeiro álbum nós estávamos em Sidney e de lá, decidimos mudar as ideias de lugar e fomos para Berlim, onde a música tem uma característica muito própria e daí, mudamos de novo, dessa vez para Los Angeles, que tem uma energia incrível, cheia de criatividade, além de estar bem próximo do deserto da Califórnia, que nos inspirou muito para o álbum. Aquela vasta imensidão do deserto nos deu paisagens incríveis, o que nos fez pensar diferente, nos fez refletir muito e isso foi repassado em todas as tracks do Solace

B4B – Como você, James, percussionista, também trabalha na inserções de sinths, bass e outras sonoridades eletrônicas no processo de criação? Como vocês criam a parte eletrônica/dance de suas tracks?

Rüfüs Du Sol – Na verdade, nós não nos limitamos enquanto estamos criando. Claro que eu tenho ideias mais focadas na bateria ou percussão, por exemplo, mas todos nós 3 acabamos ajudando na mesma proporção num contexto geral. Essa coisa de posições definidas na banda limita-de mais ao palco. Para a criação do Solace, nós tivemos muitos ensaios, Jam Sessions e fomos criando alguns elementos, colecionando ideias, até que no fim organizamos tudo. Chegamos a ficar 10 horas nessas sessões, criando sons estranhos, pra chegar em coisas que realmente conseguíamos usar e a parte eletrônica sempre surge naturalmente pra gente, é algo que gostamos de fazer. No final de tudo, nós nos divertimos criando.

Rufus Du Sol Lollapalooza Basil
Rüfüs Du Sol nos bastidores do Lollapalooza Brasil

B4B – Vocês já tiveram históricos shows em grandes festivais, como o NSW, Coachella, Mountain Sounds. Como foi o show no Lolla Brasil? O público daqui gosta muito do trabalho de vocês…

Rüfüs Du Sol – Foi incrível. Nós ouvíamos muitos comentários sobre o país, o evento. Líamos muitos “venham para o Brasil” em nossas redes sociais e finalmente, conseguimos passar por aqui. Os fãs da América Latina são realmente apaixonados pela música, por nossa música. As pessoas conhecem as letras, cantam durante os shows… algumas pessoas foram até o hotel nos levar presentes. Foi um momento realmente especial estar no palco do Lollapalooza e dividir isso com vocês. Esperamos voltar mais vezes! Obrigado!

Os editores Bruno Bellato (dir) e Viktor Raphael (esq) com James Hunt, integrante do Rüfüs Du Sol
Comentários

Editores do Beat for Beat. Apaixonados pela música, pela pista e uma boa taça de gin.