fbpx
Conecte-se com a gente

Oi, o que você está procurando?

Descubra

Descubra: RoB

Música eletrônica tropical com doses homeopáticas de psicodelia: preparado para entrar nessa vibe? Descubra o talento de RoB.

RoB

Conhecer algo novo é sempre uma experiência que mexe com nossas emoções e sentidos, e com certeza o que trazemos aqui hoje cumprirá tal função. RoB é um novíssimo projeto musical de música eletrônica — não exatamente aquela voltada ao dancefloor, mas sim para curtir uma brisa nos fones de ouvido — que carrega um teor tropical e imprime, de certa forma, leve doses psicodélicas nas músicas.

A estreia oficial rolou no mês passado com o single ‘Nada Lá Fora, faixa que ganhou clipe e que, em pouco mais de um mês, já se aproxima da casa de 100 mil views no YouTube, acompanhado de dezenas de elogios dos ouvintes pela originalidade e criatividade do trabalho. Agora, dando sequência à apresentação de RoB ao mundo, a cantora e compositora pernambucana divulga ‘Outra‘, uma faixa que demonstra todo o poder feminino que ela carrega dentro de si.

Lançada oficialmente na última sexta (07), o single já está disponível nas principais plataformas digitais e chega novamente com um clipe que merece ser conferido nos mínimos detalhes. Embarque nessa vibe e conheça a identidade de RoB nesta nova coluna Descubra:

Beat for Beat – RoB! Obrigado por topar essa entrevista. Por aqui estamos bastante acostumados a falar sobre música eletrônica em seu formato mais “tradicional”, digamos assim, de músicas feitas para clubbers, com BPMs mais altos, pra cansar o corpo de tanto dançar em meio à multidão, mas essa pegada não é bem a sua. RoB é mais suave, radiofriendly, mas ainda assim música eletrônica. Como foi pra chegar nessa identidade?

RoB – Eu sempre gostei das músicas eletrônicas com BPMs mais baixos. Acho mais envolventes, deixam mais espaço para os efeitos, os reverbs e as sílabas longas, presentes na maioria das minhas melodias. A música passa a ser mais envolvente do que pulsante.

Você é nascida e crescida em Recife, mas morou 4 anos na Califórnia, certo? Isso também moldou sua personalidade musical, não foi?

RoB – Sim, certamente. Pernambuco tem uma identidade cultural e musical muito forte e muito própria. A vivência na California me mostrou muita coisa nova – especialmente no reggae e música eletrônica – e me trouxe mais liberdade e leveza na forma de enxergar as possibilidades musicais. Acho que a junção de tudo isso me levou musicalmente a um lugar onde me sinto confortável para misturar influências sem me ater a rótulos.

Se formos abrir suas playlists, o que podemos encontrar? Quais nomes estão constantemente rolando quando você está curtindo um som no seu próprio universo?

RoB – Nossa, gosto de tanta coisa e o que mais escuto é coisa antiga. Marvin Gaye, Donny Hathaway, Stevie Wonder, The skatalites, Radiohead, Depeche mode, The Spinners, Sly and the Family Stone, Gilberto Gil, Tim Maia, Little Dragon, Kraftwerk, Tame Impala, The Chemical Brothers, LCD Sound System, Daft Punk. E muita, muita música jamaicana.

Essa é um pouco clichê, mas sempre recebemos respostas diferentes: o que te inspira a produzir uma música?

RoB – Vou dar uma resposta mais clichê ainda, mas bem verdadeira, o amor me inspira. Um amor que se inicia, um amor que acaba, o amor que a gente inventa, o amor pela vida, o amor universal, aquele que pulsa lá dentro e lhe faz ter vontade de sair gritando, por que tanta guerra, por que tanta divisão? Isso verdadeiramente me inspira.

Seu novo single tem uma mensagem forte sobre a figura feminina, representa a força da mulher. Você já sofreu algum tipo de preconceito por ser mulher no meio artístico? Inclusive nesse meio de música eletrônica, que é predominantemente masculino…

RoB – Sim, um olharzinho aqui, outro ali de quem não está botando fé que você sabe o que está fazendo… algum comentário machista. Mas nunca dei muita importância a isso, cresci entre homens e aprendi a me posicionar desde cedo. Faço o que sinto ser a minha verdade. Vou lá e faço.

RoB

Sabemos também da ideia de um possível remixer para ‘Outra‘, correto? O que vocês estão buscando? Qual é a pegada que esse remix deve carregar?

RoB – Quero muito esse remix! Acredito que “Outra” pode quebrar barreiras, ampliar seu alcance e ser ouvida por outros públicos. A ideia do remix é levar a música para um lugar que ela não está: outras pistas, outras plataformas, outras playlists. Quero entregar “Outra” a um dj que a abrace, que vibre com a ideia tanto quanto nós e toque essa música cheio de orgulho.

E além desse segundo single, vem mais algum outro pela frente? Quando o álbum deve chegar oficialmente?

RoB – Planejamos o lançamento de mais um single antes do álbum, que deve estar chegando no começo do segundo semestre.

Para terminar, se você pudesse descrever RoB em poucas palavras para nossos leitores, quais seriam?

RoB – Teimosa, apaixonada, diversa e aversa a rótulos. E movida a música 🙂

Comentários

DJ, Produtor, Redator, Libriano e Sonhador. Trance para amar e Techno para dançar, com uma taça de Gin para acompanhar. Onde é o after?

FACEBOOK

PLAY!

Leia Também:

Agenda

Amiiici, um dos lounges mais renomados do interior de São Paulo, estreia novo club no início de Novembro com residência de Aline Rocha. Comentários

Mainstage

Vintage Culture e sua tripulação embarcam no MSC Preziosa em Abril de 2022 para a estreia no Navio Só Track Boa. Conheça o line...

Lançamentos

Conheça os melhores lançamentos da indústria da música eletrônica presentes entre 16 de 22 de Outubro. Ouça nossa playlist. Comentários

Mainstage

A renomada revista britânica DJ Mag anunciou os 50 artistas que quase entraram para o ranking dos Top 100 DJs de 2021. Conheça-os. Comentários

Publicidade

Beat for Beat © 2020 | CNPJ 16.853.408/0001-46 | (11) 98602-8789