fbpx
Conecte-se com a gente

Oi, o que você está procurando?

Entrevista

Entrevistamos: Carola

Com debute garantido em pleno Carnival Festival, no El Fortin, conversamos com Carola, uma das pontuais expoentes da cena nacional.

Carola

por Isabela Junqueira

A força musical de Carola se vê em uma crescente de tirar o chapéu. A DJ e produtora mergulha no oceano de possibilidades da House Music para gerar uma assinatura característica a partir da mistura entre o Bass House, Future House e Rave. Integrada não só ao catálogo de grandes labels mundiais da música eletrônica, a produtora também possui suportes de nomes como Alok, David Guetta, Don Diablo, Fedde Le Grand, Martin Garrix, SOFI TUFFER e Tiësto.

Com competência, técnica e persistência, Carola conquista, dia após dia, êxito e reconhecimento que celebram não só a potência musical, mas a representatividade por ver uma mulher negra e periférica ocupar tamanho lugar de destaque. Orgulhosamente conversamos com Carola, em um papo muito especial. Confira:

Beat for Beat – Olá Carola, é um prazer! O que acha de começarmos contextualizando o cenário cultural e de influências?! Você veio do Rio de Grande do Sul e trouxe referências do house e da música urbana gaúcha. Quais foram suas referências e como surgiu o insight em se tornar uma produtora musical?

Carola – Oi galera, o prazer é todo meu! Apesar de ser gaúcha, minhas referências sempre foram de artistas de outros estados e artistas internacionais. A vontade nasceu de maneira muito natural, eu sempre gostei muito de música, independente do gênero e os primeiros contatos que eu tive com música eletrônica foram na cena psytrance do meu estado, depois o cenário dos eventos foi mudando e na época que eu comecei a tocar eu estava inserida em uma cena que era bem electro house e progressive house. São 10 anos trabalhando com isso e fico muito feliz de agora poder mostrar o meu trabalho para o mercado brasileiro e para o mundo tá ok também.

E a partir desse despertar, como foi a sua trajetória na música? Que influências você carrega da raiz gaúcha?

Carola – Eu comecei discotecando em 2012, na época eu não tinha dinheiro para pagar um curso então eu usei as ferramentas que eu tinha, que no caso era somente um notebook de 4gb de ram hahahah Assistia muitos vídeos no youtube e lia muitos artigos em blogs sobre os equipamentos, mixagem harmônica, percentual de mixagem e etc…

Eu não tenho muitas referências de artistas do meu estado, por que eu sempre foquei no som mais mainstream, então na época que eu comecei minhas referências eram Nervo, Krewella e etc… Mas vale ressaltar que eu iniciei minha carreira em 2012 apenas como DJ, a produção entrou na minha vida apenas 3 anos depois.

 

Você é, sem dúvidas alguma, uma mulher que transcende potência seja através da música ou do seu próprio estilo. Como você foi traçando a sua estética e identidade musical?

Carola – Eu estudo produção musical a 7 anos, o lance da estética é algo que foi se moldando naturalmente, eu já produzi diferentes vertentes dentro do house, e continuarei fazendo isso por que eu quero sempre experimentar o maior número de coisas possíveis. Quem ouve minhas músicas, sabe que elas são minhas, eu sempre procuro utilizar alguns samples muito específicos em todas as músicas, então mesmo que a estrutura, os leads principais, e as vezes até o estilo sejam um poucos distintos, quem acompanha meu trabalho sabe que eu estou ali, impressa em  detalhes daquele som.

Recentemente você foi contemplada com uma parceria com a Armada Music, uma das maiores gravadoras de música eletrônica do mundo, como foi o processo de lançamento de “Come With Me” e como foi pra você alcançar esse grande selo mundial?

Carola – Nós enviamos algumas músicas para eles, se eu não me engano foram 7 e dessas 7 eles quiseram assinar 5. Come With Me foi a primeira e agora em março teremos mais um release com eles, a música Run que eu fiz em parceria com o Adrian Monteiro. A Armada é uma label incrível, eles pegam junto nos releases e fazem o que está ao alcance deles para que a música seja ouvida por mais pessoas e seja tocada por mais artistas. É uma das melhores parcerias que eu tive até aqui  então eu estou muito feliz e ansiosa para que vocês ouçam em breve as novas músicas.

Você também foi a primeira mulher a ter lançado pela STMPD, selo do Martin Garrix, outra grande e importante gravadora mundial. Ainda existe uma grande distância entre as mulheres e a produção musical? Essa lacuna está enraizada na dance music? O que você acha?

Carola – Eu acho que hoje em dia estamos conquistando nosso espaço, eu vejo muito mais meninas se interessando por produção músical e estudando do que eu via a tempos atrás, vejo projetos como Carol Fávero, Curol, Daphne, Tálita, Ella De Vuono, Nyella, Molothav, Priscila Diaz, Bia Varella, Lebox, Lowez (eu poderia citar muito mais)  estudando, se esforçando, se preocupando em ter lançamentos frequentes e buscando seu espaço pelo principal, que é e sempre será a música. Nós viemos de uma cultura que não cobrou produção musical de artistas no passado, então isso influenciou na quantidade de produtoras que temos hoje em dia, mas vejo o mercado mudando positivamente.

É inegável o fato de que a cena da música eletrônica é formada, em sua maioria, por homens brancos. Você desponta não só pelo imenso talento, mas pelo belíssimo exemplo de representatividade. Comente como você encara isso e o que acha que pode ser mudado para que essa dinâmica comece a demonstrar mudanças.

Carola – A cena eletrônica surgiu da diversidade e é preocupante que hoje em dia essa diversidade não seja tão presente no cenário mainstream. Acho que a democratização desse universo vai acontecer com o tempo, por que é importante entender que hoje essa é uma pauta presente na nossa sociedade e se a música eletrônica quer ganhar cada vez mais espaço e mais adeptos é necessário estar alinhado com o que está acontecendo no mundo.

Subir ao palco do Carnival Festival, no El Fortin, em meio à um line predominantemente masculino carrega também um tom de representatividade? Qual o sentimento diante desse cenário?

Carola – Acho que o principal critério que o El Fortin usa para contratar seus artistas é a música boa, eu fico feliz de saber que estou lá por isso, que meu projeto está crescendo e ganhando visibilidade. A representatividade é importante e eu não vou deixar de carregar essa responsabilidade, mas quero que me vejam nesse espaço como mais uma pessoa que está vencendo pelos seus próprios méritos, e quem se identificar comigo seja pela estética ou objetivos, entenda que é possível vencer.

Parece que você já chegou no topo, mas sua carreira só está começando e você realizando os seus maiores sonhos. Recentemente, você foi anunciada como a primeira brasileira no line-up do Tomorrowland 2022. Como está o coração neste momento? Quais as expectativas e como estão os preparativos para o show?

Carola – No mercado nacional eu ganhei notoriedade a partir de 2020, mas carrego comigo 10 anos de experiência  e acho que por isso algumas conquistas que pareciam distantes já estão rolando, sem contar que eu devo muito disso ao time incrível que trabalha comigo hoje. Estou muito feliz, é uma conquista enorme e eu vejo isso como uma vitória não só minha, mas a cena brasileira ganha, a cena feminina ganha, e todas as pessoas que tem sonhos considerados impossíveis, ganham também. As expectativas são as melhores possíveis, vou me esforçar para fazer jus a essa responsabilidade e eu tenho certeza que isso colocará o meu projeto em outro patamar.

Você como mulher, preta, periférica e brasileira, hoje quebra todos os paradigmas possíveis quando falamos de sucesso no mundo da música eletrônica. Só ano passado você bateu 16 milhões de streams apenas no Spotify, fora suas grandes apresentações em palcos importantíssimos. Qual é o conselho que você daria para uma garota que está começando neste momento e que precisa compreender mais sobre este mundo, ainda não desigual para mulheres? Obrigada pelo papo, Carola!

Carola – Estude, se dedique e não dê ouvidos aos outros, as pessoas vão tentar fazer você desistir por que talvez elas não estejam prontas para lutar pelos próprios sonhos mas, só você é capaz de mudar a sua realidade.

Para curtir Carola e outros nomes de peso do Carnaval do El Fortin acompanhe o Instagram e reserve seu ingresso aqui.

Comentários
Autor

FACEBOOK

PLAY!

Leia Também:

Agenda

O DJ e multi-instrumentista suíço Jimi Jules estreia temporada de grandes aberturas no Caos, em Campinas. Comentários

Via UnderGROUND

A faixa, ‘Illuminated’, faz parte do recente álbum de Majoness, “Call to Papito”, e foi gravado com um celular. Assista agora. por Rodrigo Airaf...

Via UnderGROUND

Rene e Camila, do Binaryh, receberam o convite para estrear em Ibiza, ao lado de alguns dos maiores nomes do techno mundial. Comentários

Via UnderGROUND

A holandesa Clone Distribution encerrou contrato com a Trip Recordings, de Nina Kraviz, devido suas possíveis saídas Pró-Putin. Comentários

Publicidade

Beat for Beat © 2020 | CNPJ 16.853.408/0001-46 | (11) 98602-8789