fbpx
Conecte-se com a gente

Oi, o que você está procurando?

Editorial

Beyonce também é house music e o Renaissance prova isso

Uma das maiores artistas da música mundial, Beyoncé, se renova e lança um álbum repleto de dance music, o Renaissance, que ouvimos por aqui.

Beyoncé

Não é de hoje que diversos artistas usam a dance music como influência para seus trabalhos. É comum ouvirmos as nuances da música eletrônica em diversos trabalhos e das mais variadas formas, mas quando alguém do calibre de Beyoncé executa tal feito, de forma primorosa, precisamos enaltecer e dar muitos plays. Obrigado, de nada.

O sétimo álbum de estúdio de Beyoncé, ‘Renaissance‘, chega após anos de espera. As expectativas estavam altíssimas, principalmente quando foram divulgados alguns dos produtores presentes no compilado. Entre velhos conhecidos nossos, Honey Dijon, Skrillex, Giorgio Moroder, Mike Q, só para citar alguns, assinam músicas que transitam entre gêneros que tanto amamos.

O álbum, logo de cara em ‘I’m That Girl’, traz elementos de afro house, a sonoridade das músicas que virão na sequência. Beyoncé exalta sua ancestralidade e traz percussões bem marcadas durante todo o Renaissance. ‘Cozy’, a faixa que conta com a participação de Honey Dijon, nos leva para o mundo das ballrooms, outra grande influência do álbum.

Em ‘Cuff It’ somos apresentados a uma dance music ao melhor estilo Beyoncé de ser, que se prolonga até ‘Break My Soul’, o primeiro single do álbum. Já em ‘Move’ sentimos a potência da música preta. Beyoncé resgata suas raízes e traz uma variedade de gêneros que permeiam sua comunidade desde sempre. É uma viagem histórico-cultural.

Em ‘Pure/Honey’, o Vogue entra em cena na forma mais pura possível, literalmente. A presença de Mike Q é visivelmente percebida em seus tão característicos samples e imediatamente começamos da dançar. Uma introdução perfeita para a música que encerra o álbum: ‘Summer Renaissance’

Começar a música com o inconfundível sample de ‘I Feel Love’, de Donna Summer, é um deleite para nossos ouvidos. A música, que usa o clássico como base principal, não esconde a referência e usa até trechos da letra original. Ver um hit atemporal, reconstruído de uma forma que respeite sua história, é algo que não acontece todo dia e Beyoncé prova que além de uma exímia cantora, é alguém que conhece e valoriza a música de qualidade.

Se cabe um conselho, aqui vai: tire uma hora do seu tempo, saia da sua bolha e dedique-se a ouvir uma das maiores artistas do século, repaginada e mais dance do que nunca. Mesmo com seu R&B característico, Beyoncé mostrou que a versatilidade musical é um dos seus sobrenomes e que ela também, é house music. Obrigado pelo Renaissance, a dance music agradece.

Comentários

Casado com a Isabela mas apaixonado pelo techno. Eu perco 1 fio de cabelo pra cada track que reconheço.

Leia Também:

Agenda

O DJ Israelense Guy J, que coleciona grandes passagens pelo Brasil, retorna mais uma vez ao D-Edge em grande companhia. Saiba mais. Existem diversos...

Agenda

No dia 3 de setembro, o 9º melhor club do mundo segundo a aclamada revista britânica DJ Mag, recebe 3 grandes nomes do EDM....

Lançamentos

“New Scream” foi lançado na última sexta e logo se destacou no Beatport, o disco pegou Top 10 no chart de tech house, e...

Mainstage

Podcast mira em sonoridades profundas do House e a divulgação de talentos nacionais com muito talento. Confira Abaixo. Por Sofister   Acostumado a navegar...

Publicidade

Beat for Beat © 2020 | CNPJ 16.853.408/0001-46 | (11) 98602-8789